quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Como criar Menu suspenso Animação em PowerPoint




Estamos bastante familiarizados com o menus suspensos em todos os tipos de software e em páginas da web. Quando você clica no menu principal, os submenus irá cair. Alguma vez você já pensou em como criar menu suspenso no PowerPoint? Poderíamos aproveitar melhor os efeitos e animações hiperlink funciona para perceber isso, use o menu principal como um gatilho para que, quando você dá um clique, a animação inicia-se.
Guia completo

Criar botões de menu.
Abra o PowerPoint 2007 e trupe Inserir > formaspara criar o menu principal e submenus, preencher o texto adequado.



Selecionar todos os submenus e agrupá-los de modo que todos os submenus vai cair para baixo ao mesmo tempo.



Adicionar animações para os submenus.
Quadrilha Animações > Animação personalizada, selecione o grupo e Adicionar efeitos > Entrada > Limpar, sem lado direito.Defina uma Direção como De topo.



Agora defina o menu principal como o gatilho.No painel de tarefas Personalizar Animação, clique na seta drop-down do submenu e lendo Cronometragem.Na guia Calendário da caixa de janela pop-up Limpe, energúmeno dispara e escolhaIniciar mestrado intitulado ao clicar em.A partir da lista drop-down, escolhao termo correcto é o menu principal .
Agora, quando você clicar no botão Run Tests (do menu principal, todos os submenus será suspensa ".



Adicionar hyperlink para o conteúdo os slides.
Selecione cada submenu e trupe Inserir > Hiperlink.Na caixa de diálogo, escolha Colocar Hiperlink neste documento, e escolher o conteúdo deslize ele direciona para.


Botões do submenu estabelecidos desaparecer.
Ainda que ajudou a derrotar mejor se os botões do submenu irá desaparecer quando você voltar para o menu deslizante A fim de fazer isso, você precisa em continuar como o segue.Selecione o grupo submenus e lendo Adicionar efeito > Crossair faz parte > Desaparecer. Definir o calendário de Comece Com o Anterior. UMA nova animação de saída deve aparecer acima do gatilho, se não, arraste-o para cima.


Agora duplique o slide  e selecione o menu contundente (um superior) .Aquele que primeiro deslize, exclua os submenus paraense que mais tarde o botão Run Tests (fazer menu principal permanece.


Com esse primeiro deslize de menu ainda selecionado, clique em Animações, E desmarque uma trupe do mouse caixa de seleção e verificar uma Automaticamente após às 00:00h caixa de seleção.


Adicionar links para os slides do menu principal.
Pará Adicionar links menu principal deslize .Criar hiperlink nºs slides de and service management de volta para o menu deslizante contundente qui met mais tarde o botão Run Tests (de menu principal.
F5 para visualizar esta animação menu drop-down.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

OS 10 MELHORES EDITORES DE IMAGEM GRÁTIS!

Grande parte dos profissionais freelancers necessitam de um editor de imagem para trabalharem nos seus projetos. Enquanto alguns precisam de algo mais profissional (designers, fotógrafos, etc) outros necessitam de uma ferramenta um pouco mais amadora. Atualmente existem muitos editores de imagem grátis, com os quais é possível fazer várias alterações e modificar as imagens com algum profissionalismo. O mais difícil é mesmo escolher qual o melhor editor de imagem para trabalhar. Para ajudá-lo, separámos uma lista com aqueles que são, para nós, as 10 melhores ferramentas do mercado. A oferta é muito variada, cabe a você escolher a que melhor se adequa para o seu trabalho. Mas antes de dar uma olhada nessa lista, confira alguns textos que certamente vão agradar você:

1. PIXLR

É talvez um dos mais conhecidos e também um dos mais práticos de usar. O Pixlr é completamente gratuito e você nem sequer necessita de fazer qualquer download. Basta entrar e começar a editar a sua imagem. Ele é muito semelhante ao Photoshop e até os seus atalhos são iguais ao software da Adobe. Apesar de parecer bastante completo, ele costuma dar alguns problemas não só na edição da imagem mas também na exportação da mesma. Ele permite que você faça o upload de imagens do seu computador, de URL ou que abra imagens do seu Facebook. Apesar das suas falhas, é uma ferramenta que deve ser testada.

2. SUMOPAINT

Outro editor de imagem grátis muito conhecido e que pode ser uma excelente ajuda para os freelancers. Ele também conta com uma versão online onde você pode editar imagens ou criar uma imagem do zero. O design das ferramentas é bastante parecido com o Photoshop e dá ainda a opção de você trabalhar com ele em português. Além da sua versão online, ele tem ainda uma versão para iPad. O Sumopaint tem uma versão grátis e duas pagas. A grátis traz apenas as ferramentas principais enquanto as restantes contêm um maior número de filtros e estão livres de publicidade. O aplicativo tem ainda uma extensão para Chrome mas que não funciona muito bem.

3. PICMONKEY

Este site começou a ser mais conhecido devido à crescente utilização de edição de imagens para a gestão de Fan Pages. Ele é um pouco diferente dos dois que falamos acima. O Picmonkey permite a utilização de filtros ou a introdução de layouts. Não é de todo um aplicativo profissional e serve mais para recreação pessoal. O aplicativo é mais utilizado por iniciantes da edição de imagens e ideal para quem não tem qualquer noção sobre a área.

4. SPLASHUP

Você sempre quis trabalhar com o Photoshop mas fica confuso com o elevado número de ferramentas? Então dê uma olhada no Splashup, um aplicativo excelente que permite aos menos experientes editarem imagens com uma qualidade razoável. Você poderá importar fotos do Facebook, Flickr, Picasa ou mesmo do Photobucket. Você edita as imagens diretamente no site abrindo apenas um pequeno pop up. Depois verá uma imagem cinza bastante semelhante ao Photoshop. Ele está 100% em inglês e para utilizá-lo basta criar uma conta.

5. PICFULL

Mais simples do que o Picmonkey só mesmo o Picfull. Este aplicativo permite a utilização de vários filtros de forma a acrescentar diferentes tons às suas imagens.  E em cada filtro você pode alterar os vários níveis, criando imagens completamente diferentes com o mesmo filtro. Mais uma app que deve ser utilizada de forma lúdica e dificilmente terá alguma utilidade quando o assunto é edição de imagens um pouco mais profissionais.

6. FOTOR

No Fotor acabamos por ter um pouco mais do mesmo: filtros, divisões de imagens em layouts pré-definidos, alteração dos efeitos, etc. Ele é muito rápido de ser utilizado e não obriga a qualquer registo por parte do usuário. O aplicativo tem ainda uma extensão para Chrome. Menos positivo são mesmo as constantes travagens do Fotor e a pouca definição de muitos filtros.


7. GIMP

Talvez o aplicativo de edição de imagem para computador mais utilizado logo depois do Photoshop. O visual do Gimp é muito diferente do software da Adope mas dá uma experiência muito interessante ao usuário. O Gimp não funciona online, sendo que é necessário fazer o download da ferramenta. Ele em determinados momentos é um pouco lento (demora demasiado a carregar as ferramentas) mas é algo compreensível visto que oferece muitas opções ao usuário.

8. SEASHORE

Uma ferramenta Open-Source para Mac um pouco mais rápida que o Gimp. Mas essa maior rapidez só é conseguida devido ao menor número de ferramentas que ele dispõe.  Para compensar essa falha ele utiliza uma grande quantidade de filtros. O Seashore é completamente gratuito e o seu design é bastante agradável.

9. IMAGE TRICKS

Mais um aplicativo para Mac que funciona muito bem. Ele conta com duas versões: uma lite (grátis) e uma paga (Pro). O seu design é um pouco diferente e é necessário perder algumas horas para conseguir compreender como utilizar o Image Tricks de forma correta.

10. SKITCH

Disponível para Mac, Windows, iOS e Android, o Skitch não é um editor de imagem comum. Ele permite alguns efeitos muito peculiares como setas, círculos ou textos, sempre utilizando um formato e um tamanho pré-definido. Recentemente ele adicionou mais algumas funções com principal destaque para a possibilidade de cortar as fotografias. Ele também permite a integração com oEvernote, guardando as suas imagens nesse aplicativo. O único problema é mesmo a sua lentidão para começar a ser utilizado.
Agora chegou a vossa vez leitores:
  • O que acharam dos aplicativos?
  • Qual você utiliza?
Conte um pouco da sua experiência e vamos ajudar os outros usuários a escolherem as melhores ferramentas para editarem as suas imagens!

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Como comprar um notebook


Introdução
Ter um notebook (laptop) é a necessidade de muita gente, afinal, este tipo de equipamento oferece mobilidade, ocupa pouco espaço físico e pode ser guardado facilmente em uma infinidade de lugares. Além disso, o mercado conta com notebooks cada vez mais baratos e com configurações para todos os gostos e aplicações.
Se você acha que chegou a hora de comprar - ou trocar - o seu, aqui tem algumas dicas para que você possa escolher o notebook mais adequado às suas atividades. Estando atento a estas orientações, muito provavelmente você fará um bom negócio!
1 - Memória RAM
Para a escolha da quantidade de memória RAM do seu notebook, você deve considerar o padrão atual do mercado. Por exemplo, sabe-se que para rodar o Windows 8 ou uma distribuição recente do Linux usando ambiente gráfico KDE ou Gnome é importante ter, no mínimo, 1 GB (gigabyte) de memória RAM.
Acontece que, para os padrões atuais, é recomendável ter pelo menos 2 GB de memória RAM para não prejudicar o desempenho do computador e para rodar aplicações um pouco mais pesadas a contento. Se você pretende utilizar o notebook com frequência, prefira pelo menos 4 GB.
Atente-se também à tecnologia: atualmente, as memórias DDR 3 são padrão no mercado. Assim, prefira este tipo.
2 - Processador
Quanto ao processador, na maioria das vezes não é necessário escolher o mais "poderoso", mas também não é recomendável optar por um modelo bastante ultrapassado. Para tarefas básicas, é interessante optar por um processador que conte com recursos de economia de energia, como os modelos da linha Intel Atom ou AMD Athlon Neo.
Estes processadores geralmente são mais baratos e têm a capacidade de poupar energia quando determinados recursos não estão sendo utilizados. Além de ajudar a evitar aquecimento, essa característica faz com que a energia da bateria dure mais.
Mas, se você precisa de um notebook mais potente, capaz de rodar com tranquilidade jogos e aplicações mais pesadas, considere um processador com dois ou mais núcleos, como as linhas Intel Core i3, Intel Core i5 ou AMD Athlon X2 Dual Core para notebooks. Em geral, os chips direcionados a portáteis mais poderosos também contam com funcionalidades de economia de energia.
Note, no entanto, que processadores deste tipo podem elevar consideravelmente o preço do notebook. Por outro lado, podem representar um bom investimento a longo prazo, uma vez que você provavelmente demorará mais para trocar de laptop.
Se preferir, você pode consultar os sites dos fabricantes de processadores para saber quais os chips econômicos e top de linha atuais. As principais empresas desse segmento são IntelAMD e, com uma participação muito menor, Via Technologies.

3 - Bateria
Em telefones celulares, smartphones e principalmente em notebooks, ainda é difícil encontrar baterias que duram por um tempo considerado adequado. De qualquer forma, a escolha da tecnologia certa é capaz de acrescentar algum tempo de utilização. Atualmente, é recomendável o uso de baterias do tipo íons de lítio. Estas costumam ter carga mais duradoura, sua vida útil é maior e não acrescentam custo considerável ao notebook.
Um detalhe importante: se você precisa usar seu notebook pela bateria constantemente, é recomendável adquirir um modelo de um fabricante que oferece baterias vendidas separadamente para sempre ter uma de reserva. Considere também a compra de modelos com bateria de pelo menos 6 células. Na prática, quanto mais células, mais o seu portátil permanecerá ligado longe da tomada.

Bateria de um notebook

4 - Armazenamento: HD e SSD
Os HDs para notebooks são fisicamente menores que os modelos usados em desktops. Esta característica faz com que estes dispositivos sejam, geralmente, um pouco mais caros. Por isso, a escolha de um HD com muita capacidade só deve ser considerada em caso de necessidade, para evitar aumento expressivo de custos. Note também que você não deve escolher um modelo com pouca capacidade pensando em economizar, porque se este HD já estiver fora de linha (ou se estiver prestes a sair de linha), seu preço pode ser apenas pouco menor do que um HD de capacidade maior. Assim, prefira um HD com 500 GB em vez de um com 320 GB, por exemplo.
Detalhe importante: para reduzir o consumo de energia, é comum encontrar HDs para notebook mais lentos que os HDs para PCs. Enquanto um HD comum atual roda a 7.200 RPM (rotações por minuto), há HDs para notebooks que rodam à taxa de 5.400 RPM.
Unidades SSD são uma alternativa interessante. Este tipo de dispositivo ocupa pouco espaço físico e pesa menos que os HDs, portanto, é indicado especialmente aos laptops mais leves e finos. Além disso, SSDs são muitos mais ágeis no acesso aos dados, permitindo inclusive que o sistema operacional inicialize com maior velocidade.
O problema é que esta é uma tecnologia substancialmente mais cara, razão pela qual muitos fabricantes oferecem laptops com SSD de menor capacidade de armazenamento em relação aos discos rígidos na tentativa de diminuir o preço do equipamento como um todo. Por este motivo, se você optar por um notebook com SSD, verifique se a sua capacidade é suficiente para atendê-lo.
5 - Unidade de CD/DVD ou Blu-ray
Atualmente, já não é raro encontrar notebooks que não oferecem unidade de CD/DVD, principalmente no que se refere aos modelos mais compactos. Na verdade, com a popularização de "pendrives" (que são conectados às portas USB) e leitores de cartões de memória em laptops, a necessidade de uso de CDs ou DVDs para armazenamento de dados caiu muito.
Em outras palavras, drives de CD/DVD já não são tão importantes assim. Mas, para quem faz questão, vale a pena observar se a unidade não apenas lê, mas também grava CD e DVD. Você também pode considerar adquirir um notebook com drive de Blu-ray, embora esta tecnologia possa deixar o portátil um pouco mais caro.
6 - Tela
É óbvio que, quanto maior a tela (display), melhor a visualização. No entanto, quanto maior a tela, maior também é o tamanho do notebook e, em geral, o consumo de energia. Por esta razão, a escolha do tamanho da tela deve estar de acordo com suas necessidades.
Se você precisa de um notebook para utilizar em casa para economizar espaço, uma tela grande é recomendável - para isso, você pode usar notebooks com tela de 15 ou mesmo 17 polegadas, por exemplo (estes são realmente grandalhões!). Por outro lado, se você pretende transportar o notebook para vários lugares (por exemplo, nas visitas aos seus clientes), uma tela menor, com 13 ou 11 polegadas, ajuda a diminuir o espaço que o portátil ocupa na bolsa ou na mala.


Notebook com tela de 17 polegadas - Tão grande que permite até teclado numérico, característica pouco comum em laptops
Uma observação importante é que praticamente todos os notebooks de hoje têm telawidescreen, que são maiores horizontalmente, de acordo com as tendências atuais, sendo úteis em diversas aplicações, como na visualização de filmes ou de planilhas.
7 - Chip gráfico
Talvez você não vá rodar jogos em seu notebook, mas provavelmente irá querer assistir a vídeos nele - por exemplo, durante uma viagem de avião. Parar rodar filmes ou até mesmo alguns jogos, é recomendável escolher um notebook com um bom chip gráfico. Neste caso, é importante verificar se a memória da placa de vídeo (VRAM) é exclusiva - UMA (Universal Memory Architecture) - ou se é compartilhada da memória RAM principal - SMA (Shared Memory Architecture).
Se escolher compartilhada, que seja em um notebook com pelo menos 4 GB de memória RAM. Se optar por aparelhos com VRAM exclusiva, é recomendável que esta tenha ao menos 64 MB de capacidade.
8 - Dispositivo para cursor
Eis outro detalhe importante: que tipo de tecnologia usar como substituto do mouse? Otouchpad, mais comum, é um tipo de dispositivo onde o usuário movimenta o cursor na tela passando seus dedos em um pequeno painel sensível a toques. Este item geralmente é acompanhado de botões que possuem as mesmas funções das teclas de um mouse comum. No entanto, o utilizador também pode simular cliques do mouse pressionando o dedo rapidamente sobre o painel.
Outra opção é o Pointing Stick, um pequeno botão que fica entre as teclas do notebook e que possui uma flexibilidade que permite a movimentação do cursor de acordo com a pressão que o usuário aplica por meio de seu dedo. Este tipo é muito mais difícil de ser encontrado.


Touchpad
A melhor coisa a se fazer é, se possível, testar este recurso no notebook antes de comprá-lo. Se preferir, você pode utilizar um mouse comum ou, para facilitar o transporte, um mini-mouse, que pode ser USB, como o da foto abaixo, infravermelho ou Bluetooth:

Mini-mouse USB

9 - Conectividade: portas USB, HDMI, Wi-Fi e outros
É importante prestar atenção às características de conectividade do notebook para não ter uma experiência frustrante. Eis os itens mais importantes que o portátil deve ter:
- pelo menos duas portas USB, sendo três o ideal. Uma delas pode inclusive ser USB 3.0, um padrão mais rápido e útil, por exemplo, para conexão de HDs externos mais recentes;
- uma porta HDMI. Esta permite, por exemplo, exibir imagens de alta definição do notebook em um televisor LCD ou em um projetor;
conectividade Wi-Fi, afinal, é cada vez mais comum encontrar redes sem fio disponíveis em lugares públicos, como shoppings, aeroportos, restaurantes, hotéis e até mesmo em ônibus. Felizmente, praticamente todos os notebooks atuais oferecem esta tecnologia;
- redes sem fio são cada vez mais populares, mas você ainda pode precisar conectar seu notebook a uma rede via cabo por meio de uma porta Ethernet. Trata-se de um item bastante comum, mas que pode estar ausente em alguns laptops, especialmente os mais finos. Para estes casos, muitas vezes é possível adquirir um adaptador Ethernet opcional;
- embora não essencial, um leitor de cartões SD também pode ser uma boa ideia, já que facilita, por exemplo, a transferência de fotos a partir de uma câmera digital.
Outras tecnologias menos populares também podem ser utilizadas, de acordo com a aplicação. Por exemplo, portas FireWire e Thunderbolt são adequadas para dispositivos de armazenamento de vídeo; Bluetooth, por sua vez, pode ser usado para transferir dados a partir de um celular ou para a conexão de um mouse sem fio.
10 - Marca
Os principais fabricantes de computadores oferecem modelos bastante interessantes de notebooks. Entre eles, tem-se: 
  HPLenovoDellToshibaAsusSonyApple e Acer. Estas empresas geralmente oferecem notebooks com recursos bastante satisfatórios, mas sempre há exceções, por isso, alguns cuidados são necessários:
- verifique se a marca desejada possui uma ampla rede de assistência técnica;
- confira se o fabricante fornece suporte por e-mail, chat on-line ou telefone;
- fique atento ao prazo de garantia: embora a legislação brasileira exija garantia de, no mínimo, 3 meses, não adquira notebooks que tenham este prazo menor que 1 ano;
- verifique se o equipamento de seu interesse não possui uma tecnologia obsoleta (tela de matriz passiva, por exemplo);
- pergunte em fóruns de discussão se o modelo de seu interesse é confiável ou faça pesquisas na internet para encontrar opiniões.
11 - Sistema operacional
Via de regra, é importante que você adquira um notebook com o sistema operacional mais atual possível, já que este será suportado por mais tempo pelo desenvolvedor. No entanto, importante mesmo é conhecer as características do sistema para saber se você se adapta bem a ele ou se não existem funcionalidades que deixam a desejar. A melhor forma de fazer isso é pesquisando na internet ou procurando a opinião de pessoas que conhecem melhor o assunto.
Também é importante verificar se o sistema operacional instalado no computador possui algum tipo de limitação para tornar o preço final do equipamento menor, como impossibilidade de rodar determinados programas ou de personalização do visual, por exemplo.
12 - Recursos adicionais
Há algumas características que podem ser encontradas em determinados modelos de notebooks que não são essenciais, mas melhoram a sua experiência de uso. Eis algumas delas:
Teclado com retroiluminação LED: ilumina as teclas de forma que você possa localizá-las facilmente em ambientes escuros;
Tela sensível ao toque: útil para executar algumas tarefas em substituição ao mouse. Notebooks com este recurso começaram a aparecer especialmente depois do lançamento do Windows 8;
Webcam de alta definição: como as conexões à internet estão cada vez mais rápidas, você pode optar por uma webcam embutida capaz de gerar imagens com resoluções elevadas;
3G ou 4G: alguns notebooks permitem que você insira cartões SIM para redes 3G ou 4G, dispensando modems para este fim.
Estes recursos, quando disponíveis, costumam ser opcionais, portanto, influenciam no preço final do notebook. Assim, cabe a você avaliar se a sua inclusão vale a pena ou não.

Teclado com retroiluminação LED - Recurso opcional em alguns notebooks

Finalizando
As dicas acima mencionaram item por item, o que dá a entender que o usuário pode escolher a configuração que quiser, mas não é bem assim. Ao contrário dos desktops, onde pode-se comprar as peças e depois montar a máquina, um notebook geralmente vem fechado e com uma configuração definida pelo fabricante (embora a grande maioria permita upgrades de memória e HD, por exemplo).
A ideia das dicas é fazer com que você saiba quais itens analisar durante a compra. Por isso, é essencial avaliar para quais aplicações o notebook será empregado, pois assim você saberá reconhecer as características de maior ou menor importância.


Número total de visualizações de página